4
Entrevistas, Recrutamento & Seleção

Desmistificar receios e preconceitos

A OED – Operação de Emprego para Pessoas com Deficiência resulta de um protocolo estabelecido em 1990, entre a Câmara Municipal de Lisboa, o Instituto do Emprego e Formação Profissional e a Fundação LIGA. É um serviço gratuito que assegura a mediação de processos de recrutamento e contratação de pessoas com deficiência em diversos setores de atividade.
Com esta premissa, o RHonline esteve à conversa com Graciete Simões, psicóloga na área recrutamento e seleção do Banco de Portugal.

As duas primeiras questões tiveram a colaboração de João Magalhães Alves, chefe do serviço onde está afeta a candidata Odete Bonifácio.

RHonline (RH): É difícil integrar uma pessoa com deficiência numa empresa?

Graciete Simões e João Magalhães Alves (GS + JMA): A integração de uma pessoa com deficiência, implica uma atenção especial, em primeiro lugar, para com a própria pessoa, procurando enquadrá-la no espaço físico e ao mesmo tempo no espaço do relacionamento humano com os colaboradores que já se encontram na empresa; em segundo lugar, procurar minimizar os constrangimentos físicos e/ou psicológicos de quem sabe que é diferente e, simultaneamente,  preparar os colaboradores para que o acolhimento dessa pessoa se efetue de forma natural, como “mais um” da equipa. Esta integração, será mais ou menos eficaz, também em função do tipo e grau da deficiência.

RH: O que mudou na sua empresa depois de integrar pessoas com deficiência? Sente que elas acrescentaram algo que não existia antes?

(GS + JMA): Essencialmente, até pelo tipo de deficiência da pessoa que foi integrada na nossa estrutura, foi a constatação de que, ao fim deste tempo, não há a perceção da existência de uma pessoa com deficiência na equipa, sendo a sua integração total, a nível de desempenho e a nível de relações humanas, dentro e fora da equipa.

As restantes respostas são da responsabilidade de Graciete Simões, psicóloga responsável pelo processo de recrutamento e seleção.

RH: Fê-lo por mera responsabilidade social, ou acredita mesmo que as pessoas com deficiência podem ser tão ou mais competentes do que as outras?

GS: O conhecimento da atividade da OED chegou através da divulgação que fazem junto dos potenciais empregadores. De imediato, perante a sensibilização para o tema, houve logo a intenção de participar, o que se veio a concretizar, com a concordância da nossa Administração, ao viabilizar um estágio. Desde o início que a nossa participação não visava ganhos fiscais ou imagem e reputação, mas tão e somente dar uma oportunidade de integração de um candidato com deficiência. Todo o processo de recrutamento foi desenvolvido com a mesma metodologia e instrumentos utilizados noutros processos. Conclui-se que, para o Banco de Portugal, as pessoas com deficiência são pessoas como quaisquer outras, indivíduos capazes de exercer todo o tipo de funções, desde que adequadas às suas competências e que à partida sejam asseguradas as condições tidas por necessárias.

RH: Quais são as grandes vantagens inerentes à contratação de pessoas com deficiência, na sua opinião? É vantajoso contratá-las?

GS: A participação neste processo teve por objetivo dar uma oportunidade de formação on-job a uma recém-licenciada com deficiência e reforçar a política de gestão no que respeita à diversidade e igualdade de oportunidades. A experiência foi bem-sucedida e após um estágio de 12 meses a colaboradora foi integrada nos quadros da instituição como qualquer outro recém-licenciado que participa nos nossos programas de estágios profissionais, e cujo desempenho no final desse período possibilite essa admissão. Verifica-se, então, que existe um ganho, não por ser deficiente, mas porque a oportunidade permitiu encontrar um candidato que noutras situações poderia nem sequer ter integrado o processo de seleção tradicional.

RH: Explique o tipo de apoio prestado pela OED, no seu caso específico.

GS: Após uma primeira abordagem, para divulgação da sua missão, a OED apresentou um conjunto de candidatos em resposta a um perfil previamente identificado por nós. Nessa apresentação, para além dos Curriculum Vitae, foi-nos também facultado algum conhecimento das características pessoais de cada candidato, fruto de um contacto assíduo que mantém com os candidatos, das suas aspirações e receios. O desenvolvimento do processo de recrutamento e seleção foi sendo partilhado e articulado ao longo das várias fases, inclusive na fase de entrevista em que um elemento da OED acompanha o candidato, embora não tivesse participado na entrevista com os recrutadores. Um dos candidatos solicitou um tradutor/intérprete de língua gestual, o que foi disponibilizado pela OED. Antes da integração em estágio da candidata escolhida, um elemento da OED deslocou-se às instalações do BdP e esteve em contacto com os futuros colegas a fim de desmistificar alguns receios e possibilitar algum esclarecimento sobre a chegada de um colaborador com deficiência.

RH: O que diria a empresários que estivessem indecisos relativamente à contratação de uma pessoa nestas condições?

GS: Que dêem uma oportunidade a estes cidadãos e a si mesmos, no sentido de aprenderem com a diferença. Todos nós somos diferentes, e o contributo de todos, sem exceção, permitirá criar uma sociedade mais solidária e consequentemente mais forte.

Artigos Relacionados

Opinião Online

Find more about Weather in Lisboa, PO

Caderno Especial

  • Captura de ecrã 2017-07-04, às 15 Caderno Especial – junho 2017

    No Caderno Especial de junho, para além das habituais novidades do Ensino Superior, publicamos um novo painel sobre Educação, onde colocamos algumas questões a vários players da nossa sociedade, desta vez focadas na urgência das competências digitais nas universidades. A não perder também a entrevista a Francisco Goiana da Silva, líder do Global Shapers Lisbon…

Revista Pessoal

  • CapaPessoal167 Revista Pessoal – maio/junho nº 167

    A Quarta Revolução Industrial – mais conhecida como Indústria 4.0 – marca a atualidade dos mercados laborais de todo o mundo, mas será este processo evolutivo e natural? Esta nova e iminente abordagem, que pretende potenciar as oportunidades proporcionadas pelas tecnologias de informação, comunicação e eletrónica junto das empresas e setor industrial, ganha especial destaque…

Sondagem/Quiz RH

Liderança e Amor terão alguma coisa em comum?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...

Colecção Find Out

RHtv