SST & Healthcare

PORQUE É QUE NÃO DEVE DEIXAR DE TREINAR NO VERÃO

Este verão não tire férias do exercício físico, adapte o seu plano de treino às suas férias e mantenha-se ativo.
Muitas vezes as férias são mais uma desculpa para parar temporariamente ou até mesmo definitivamente o treino.

Devemos complementar este período de descanso com atividade física regular (descanso ativo), tal como jogging, ténis, golf, nadar na praia, etc… num regime menos rotineiro para permitir uma retoma dos treinos mais suave e com menos perdas.

Como sabemos, o músculo esquelético hipertrofia como resposta a um determinado período de atividade regular e contínua, e atrofia quando o treino se interrompe. Do mesmo modo, os ganhos em mobilidade articular obtidos, e mantidos ao longo de vários meses de treino regular de flexibilidade, perdem-se com a interrupção dos respetivos exercícios.

Todas as alterações do organismo conseguidas através do treino têm uma duração definida. Isto significa que são transitórias e necessitam de um trabalho contínuo de solicitação para se manterem.

É claro que há adaptações mais duradouras que outras, surgindo as alterações estruturais com maior possibilidade de permanência, mas mesmo nestes casos, aumento da cavidade auricular esquerda como resposta ao treino aeróbio, por exemplo, sofrem involuções importantes com a inatividade, embora não retornem exatamente ao nível inicial.

O princípio da reversibilidade do treino declara que, do mesmo modo que a atividade física regular resulta em adaptações fisiológicas que permitem melhores desempenhos desportivos, interromper ou reduzir de um modo significativo o nível de treino, também leva a uma reversão parcial ou completa destas adaptações, comprometendo a capacidade de desempenho anteriormente mostrada.

Após a interrupção da atividade física observam-se alguns efeitos no desempenho, designados por destreino, e que constituem processos de reversão das adaptações orgânicas provocadas pelo exercício sistemático. Os efeitos mais óbvios são a rápida redução do VO2 max, do desempenho aeróbio e do limiar anaeróbio.

É provável que muitos atletas consigam manter o fundamental das suas adaptações aeróbias durante um período longo de tempo apesar de uma redução significativa da carga de treino. Para que isso aconteça, será conveniente manter alguma estabilidade na intensidade dos exercícios, reduzindo-a não mais de 20%, preservar a frequência de treinos semanais (não reduzir mais de 30%, ou seja, repousar 2 a 3 dias por semana em vez de um) e, deste modo, reduzir significativamente o volume, até 70-80% do que o atleta vinha fazendo no período imediatamente anterior.

Por tudo isto, nestas férias, escolha as atividades que mais aprecia e não deixe de praticar desporto. Pela sua Saúde!

Referência bibliográfica: FMH – Teoria e Metologia do Treino Desportivo

Artigo publicado em holmesplace.pt

Artigos Relacionados

Opinião Online

Find more about Weather in Lisboa, PO

Revista Pessoal

  • REVISTA PESSOAL – JULHO/ AGOSTO N.º 174

    Na economia digital e tecnológica da qual, obrigatoriamente, fazemos parte, e independentemente do tipo de funções e responsabilidades que desempenhamos, as chamadas soft skills – ou competências pessoais – constituem mecanismos fundamentais para melhorar o desempenho profissional em contexto de equipa e de mobilização para a ação, uma vez que falamos de competências que potenciam…

Aprender Magazine

  • APRENDER MAGAZINE – DIRETÓRIO DE EMPRESAS DE FORMAÇÃO / 2018

    LEIA AQUI O mercado de trabalho está a fervilhar com novas oportunidades, que não estão, ainda, a ser completamente exploradas. Com o crescimento económico que se tem vindo a constatar no panorama empresarial do nosso país, a procura de mão-de-obra qualificada tem aumentado significativamente. Em alguns setores – com maior destaque para as Tecnologias da…

Livros

RHtv