Entrevistas

The Magellan MBA

The Magellan MBA da edição 2011-2012 da EGP-UPBS, que bate novo recorde quanto à taxa de colocação de alunos estrangeiros. 60% dos alunos da turma da edição deste ano 2011-2012 são de nacionalidade estrangeira face aos 44,5 do ano lectivo anterior. Trata-se do único MBA acreditado em Portugal com esta taxa de alunos estrangeiros, oriundos de 11 países distintos: Canada, Somália, Alemanha, Estónia, China, Índia, Ucrânia, Zimbabué, Maurícias, Antígua e Barbuda. Falamos com o Professor Farinha, Vice-Dean da EGP-UPBS, sobre a edição do The Magellan MBA, da qual também é coordenador.

O The Magellan MBA da EGP-UPBS bateu um novo recorde quanto à taxa de admissão de alunos estrangeiros, subiu 15%. O que está por trás desta procura?
De facto neste momento a percentagem de alunos com nacionalidade estrangeira admitidos ao programa é cerca de 60%, o que constitui não apenas um recorde para o programa The Magellan MBA, mas afigura-se mesmo como a maior percentagem até ao momento alcançada em Portugal em qualquer programa MBA full-time possuidor de acreditações internacionais. Para esse sucesso têm contribuído numerosos factores. Desde logo, a circunstância de o programa The Magellan MBA possuir duas acreditações internacionais emitidas por duas das mais prestigiadas entidades neste domínio (a AMBA – Association of MBAs e a EFMD-European Foundation for Management Development), o que é como que uma pré-condição para poderem ser atraídos alunos internacionais de qualidade. Por outro, o prestígio da própria Universidade do Porto, não só a maior do País como a única universidade presente no top-250 do Times Higher Education Ranking. Adicionalmente, o facto da EGP-UPBS ser uma das poucas instituições ibéricas a constar do top-100 mundial do Ranking Financial Times de Formação Executiva. Também se afigura muito importante o facto dos nossos alunos do The Magellan MBA terem tido recentemente um desempenho absolutamente notável em competições internacionais de MBAs, como foi o caso em 2011 do primeiro lugar alcançado na maior e mais antiga competição do género, a John Molson MBA Case Competition que se realiza anualmente no Canadá. Ou o primeiro lugar alcançado em 2010 na competição de empreendedorismo de base tecnológica I2P-Idea to Product, organizada na Universidade de Texas-Austin. Finalmente, refira-se ainda a excelente ligação da EGP-UPBS ao meio empresarial, visível no facto de existirem actualmente cerca de 25 grandes empresas que são Associadas da Escola, muitas destas com actividades internacionais, o que se traduz em boas oportunidades de colocação para os nossos alunos nacionais ou internacionais.

Pode explicar no que consiste o The Magellan MBA?
MBA significa “Master in Business Administration” e, como o nome indica, trata-se de uma formação avançada em Gestão com um pendor especialmente aplicado, destinado a jovens estudantes de elevado potencial, vindos de qualquer área de conhecimento e com um mínimo de três anos de experiência profissional prévia, que pretendem desenvolver carreiras na área da gestão com uma forte perspectiva internacional. No nosso caso, todo o programa é leccionado em inglês e é realizado em regime de full-time durante cerca de 14 meses. Faz parte do programa ainda a realização de um projecto de final do curso que pode assumir a forma de um business plan para o desenvolvimento de uma nova ideia de negócio ou um estágio numa empresa onde os alunos procurarão aplicar de uma forma integrada todos os conhecimentos adquiridos durante o programa.

O que é que o diferencia dos demais?
Trata-se do único programa de MBA full-time possuidor de acreditações internacionais em todo o Noroeste da Península Ibérica, incluindo aí todo o Norte e Centro do País. Havendo hoje em dia um grande número de programas com designação de MBA, a existência de acreditações como as da AMBA ou EFMD é a meu ver crucial numa escolha consciente por parte de candidatos à frequência deste tipo de programas. Na verdade, isso significa não apenas uma importante garantia de qualidade assegurada por entidades externas e isentas, como, e ainda mais importante, um reconhecimento por parte do mundo empresarial e outros potenciais recrutadores, o que fará toda a diferença na colocação posterior dos alunos no mercado de trabalho.

Quais são as mais-valias/vantagens desta formação para um novo percurso profissional?
Uma formação deste tipo permite claramente uma reconfiguração e reforço de capacidades ao nível da gestão, o que se traduz para a esmagadora maioria dos alunos um alargar não apenas de horizontes e conhecimentos (em hard skills mas também – e cada vez mais – em soft skills), como todo o abrir de um mundo novo de oportunidades de carreira muitas vezes sem qualquer relação com as actividades profissionais anteriormente desenvolvidas. As nossas estatísticas revelam que pelo menos 80% dos alunos que frequentam este programa alteram de uma forma profunda o seu percurso profissional, assumindo novas funções e em organizações diferentes.

Este programa funciona desde 1988. Qual é o feedback dos ex-alunos?
Este programa é um dos mais antigos em Portugal, com 23 anos de existência. O feedback é excelente e o percurso de muitos dos nossos alunos é absolutamente invejável. Só para dar uma ideia, posso referir que muitos dos gestores de topo hoje mais respeitados em Portugal foram precisamente alunos deste programa MBA. É o caso dos actuais CEOs de importantes empresas como o grupo RAR, Sonae, Cerealis, EDP Renováveis, Sonaecom, entre outras. Muitos desses antigos alunos mantêm uma ligação muito forte à Escola, participando em programas de mentoring, colaborando connosco como docentes ou palestrantes e ajudando a criar uma forte rede de relações entre Alumni. E essa rede é cada vez mais internacional, como atesta a nossa “Ambassadors Network”, composta por Alumni presentes em cerca de 40 países diferentes e que constitui um importante apoio ao desenvolvimento de carreiras e de projectos, pessoais ou empresariais, de internacionalização.

Este é um curso que corresponde às expectativas criadas?
Ficaria muito preocupado se assim não fosse, mas felizmente creio que ultrapassamos de um modo geral as expectativas. Quer em termos de conhecimentos que os alunos adquirem, quer ao nível da sua formação como pessoas, quer ainda pelo alargamento da sua rede de contactos profissionais e pessoais que proporcionamos. E o acelerar de carreiras a que assistimos em geral constitui o melhor corolário de todo este processo.

Qual a “estratégia” utilizada para “atrair” os alunos estrangeiros para Portugal, visto estar numa situação socioeconómica frágil?
Temos uma aproximação muito personalizada aos potenciais candidatos. O facto de a turma ser relativamente pequena permite que cada aluno sinta que é visto como (e, de facto é) muito especial. Os sucessos da Escola e da Universidade, as acreditações que possuímos, e o “word of mouth” positivo transmitido pelos nossos alunos são importantes factores de atracção. Poucas escolas terão também uma tão elevada percentagem de professores estrangeiros com formação em escolas de negócio de topo ou uma ligação tão próxima aos meios empresariais. Também não esqueçamos que Portugal é, apesar da crise, uma excelente plataforma entre Europa, África e América do Sul, o que é igualmente atraente para alunos estrangeiros.

Vale a pena acrescentar três observações adicionais.
A primeira é que mesmo numa conjuntura de crise, temos que cerca de 80% dos alunos se encontram colocados no prazo de 3 meses após a sua graduação, percentagem que se torna habitualmente nos 100% poucos meses depois. E cada vez mais estamos a falar de colocações fora de Portugal.
Outro dado interessante é que temos cada vez mais alunos que prosseguem projectos de colaboração com instituições sem fins lucrativos. Por exemplo, nos últimos anos temos tido alunos nossos que, por força de um protocolo que temos firmado, fizeram estágios com uma importante NGO de origem americana em Moçambique, apoiando o desenvolvimento de projectos empresariais locais de grande relevo para o desenvolvimento do meio rural nesse País.
A última é que o programa oferece cada vez mais oportunidades para estadias noutras escolas de negócios. Este ano, por exemplo, estamos a oferecer a possibilidade de frequência de algumas disciplinas numa das melhores escolas da Tailândia, assim como disponibilizamos a todos os alunos uma Semana Internacional numa escola de negócios de referência mundial. Nos últimos anos essa Semana tem-se realizado no Instituto de Empresa em Madrid, uma das escolas de negócio de maior prestígio em todo o mundo.

Artigos Relacionados

Opinião Online

Find more about Weather in Lisboa, PO

Aprender Magazine

Revista Pessoal

  • REVISTA PESSOAL – JULHO/ AGOSTO N.º 174

    Na economia digital e tecnológica da qual, obrigatoriamente, fazemos parte, e independentemente do tipo de funções e responsabilidades que desempenhamos, as chamadas soft skills – ou competências pessoais – constituem mecanismos fundamentais para melhorar o desempenho profissional em contexto de equipa e de mobilização para a ação, uma vez que falamos de competências que potenciam…

Sondagem/Quiz RH

Liderança e Amor terão alguma coisa em comum?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...

Colecção Find Out

RHtv