Entrevistas

CRUZAR A META COM A EMPRESA: B2RUN ESTÁ A CHEGAR!

Está a chegar a Lisboa mais uma edição da B2RUN, a corrida para empresas, que combina o team building com o networking, e onde o espírito de equipa é quem mais ordena.

Acontece já no próximo dia 27 de setembro no Estádio do Jamor, em Oeiras, e o Rhonline foi ao encontro do embaixador da B2RUN em Portugal, Gonçalo Uva, para saber mais sobre este evento corporativo.

Rhonline (Rh) Como é que surgiu este evento, a corrida B2RUN?

Gonçalo Uva (GU): A B2Run é um evento internacional, faz parte de um circuito internacional que começou na Alemanha em 2003 e nós tivemos contacto com a empresa que organiza a B2Run, porque estávamos à procura de um parceiro para organizar um evento em Frankfurt.  Nós somos uma empresa de organização de eventos e estávamos a organizar um evento lá, também curiosamente uma corrida, uma corrida dentro de uma feira de turismo, que fomos nós que desenvolvemos o conceito, apresentamos e organizamos, e a B2RUN ajudou-nos na procura de um parceiro. Mais tarde, e como criámos ali uma relação, uma relação de referência, ou seja, de eles nos terem dado uma referência, eles estudaram um bocadinho sobre a nossa agência, e acharam que nós éramos o parceiro ideal para trazer a B2RUN para cá, porque a B2RUN estava num processo de expansão. Começou em 2003 com um evento na Alemanha, hoje em dia, na Alemanha são mais de 15 eventos, e começou a expandir e foi para outros países licenciados, vendiam os direitos de licenciamento da B2RUN e depois cada país organizava as suas corridas.

Estivemos a organizar o conceito da B2RUN, identificámo-nos muito com eles, com a B2RUN e com o conceito, pelo facto de incentivar a prática de exercício físico, de levar as boas práticas para dentro das empresas e para Portugal. Sentimos também que havia uma lacuna, porque há muitas corridas particulares, vendidas ao público em geral e todas elas ao fim de semana, mas sentimos que não havia corridas empresariais e principalmente neste formato de ser a um dia de semana com o facto de ser a volta de um grande estádio, um grande vénio, com um convívio pós-corrida, muito interessante e que potência também o networking. Para nós fazia sentido trazer para Portugal, havia espaço e aproveitamos essa oportunidade, e trouxemos a corrida para Portugal em 2016.

Rh: Esta corrida já tem alguns anos, como é que tem sido a adesão das empresas em Portugal?

GU: Em 2016, na primeira edição tivemos 2 mil participantes, em 2017 subimos quer o número de empresas, quer o número de participantes, chegamos às 200 empresas e aos 2500 participantes, o objetivo da próxima edição é os 3 mil. O conceito tem sido muito bem aceite, as empresas gostam muito do conceito. O desafio tem sido, não na aceitação do conceito em si, mas talvez, na organização interna das empresas, para se deslocarem para a B2RUN, ou seja, a organização interna de incentivarem os colaboradores a ir à B2RUN, de se registarem, de se inscreverem. No entanto, os números aumentaram quer de empresas, quer de participantes, e nós acreditamos que vá continuar a crescer.

Rh: A B2RUN é uma corrida, mas tem também outras atividades, quais são?

GU: Sim. Isto é corrida e caminhada, de 5 km, uma boa distancia para não assustar aqueles que querem começar a prática diária de exercício físico. Nós consideramos que a B2RUN é isso, é o início de atividade, pode ser o início da atividade física para muitas pessoas que já praticaram e depois deixaram, e que quer retomar, portanto o  incentivo é para voltarem a ter uma atividade física diária e regular. E também temos outras atividades desde o início do evento, as portas abrem por volta das 15.30h, temos atividades coordenadas pelos nossos parceiros, como o Holmes Place, temos uma parede de escalada, temos matraquilhos humanos. Vamos ter este ano uma atividade em parceria com a Associação Salvador, onde vamos ter algumas atividades coordenadas por eles, para sensibilizar para as dificuldades que as pessoas com mobilidade reduzidas têm no dia-a-dia, portanto temos ‘N’ atividades…. Por exemplo o ano passado tivemos algumas atividades de Team Building, um showcooking também, portanto há várias atividades abertas.

Rh: Há empresas que têm colaboradores com mobilidade reduzida, esses também podem participar?

GU: Claro, para ser sincero nas duas primeiras edições as condições do espaço e o circuito, se calhar eram mais acessíveis, apesar de haver ali zonas que eram complicadas, mas podiam fazer. No Jamor, o percurso é mais técnico, ali na mata do Estádio Nacional não têm condições, no entanto, todas essas atividades em paralelo, podem ser feitas e nós também queremos sensibilizar, portanto essas pessoas podem e devem participar. Por exemplo, a Fidelidade já convidou ou vai convidar os pensionistas deles para estarem presentes no evento.

No Porto, o circuito ainda não está disponível, mas creio que o circuito será mais adequado, e que eventualmente poderão também participar na corrida. No Porto iremos ter também a ‘Caminhada Grávida’ – associada aqui também à B2RUN.

Rh: Mas essa caminhada é para as gravidas em geral ou também para gravidas de empresas?

GU: A ideia é exatamente essa, é incluir pessoas que estejam, por exemplo, de licença, e que consigam e possam ainda praticar uma atividade física, por muito pequena que seja, mas que possam ir representar a empresa. Não tem custo associado, basta chegar ao guiché com o boletim de grávida e incorporar. Às vezes há, não digo o estigma, mas as pessoas que estão de licença de maternidade são deixadas de fora, não estão no dia-a-dia da empresa, e a ideia é trazê-las para dentro da empresa numa atividade nova, numa atividade de team building e networking,  portanto potenciar também essa ligação e o estreitar de relações.

Rh: Portanto aqui uma vantagem para as empresas, é esse de promover o espírito de equipa?

Sim, é um dos grandes propósitos, aquilo que nós nos propomos, é um team building puro e duro, de chave na mão, como nós costumamos dizer, onde as equipas e as empresas apenas se têm de inscrever e participar. Participar com o maior número de angariação que conseguirem, não há limite, nem mínimo, nem máximo para fazer parte. Portanto, uma microempresa pode participar com um participante, ou uma equipa com dois, ou então pode estender os convites aos seus clientes, aos seus fornecedores, aos seus parceiros que nesse dia representarão a empresa que os está a convidar. Portanto é um evento para todas as empresas e para todos os setores também.

Rh: Acha que as empresas deviam incentivar mais os colaboradores e até oferecer prática de exercício físico?

GU: Acho que sim, sem dúvida alguma acho que é para o bem deles, para bem das empresas e das organizações. Há muitas empresas com essa filosofia, que acabam por dar condições, e normalmente quem usa essas condições é as pessoas que já têm o interesse na prática, ou seja, que já praticam uma atividade física regular. O desafio é as empresas, ativamente, promoveram às pessoas mais paradas uma prática de exercício físico regular.

Rh: O exercício físico pode contribuir para o aumento da produtividade laboral?

Sim, há ‘n’ estudos que revelam que uma pessoa ativa produz mais, diretamente porque os níveis de concentração aumentam, mas acima de tudo, porque se diz que uma pessoa que tem uma atividade física regular é mais saudável, logo, se é mais saudável fica menos vezes doente, ficando menos vezes doente falta menos e assim sucessivamente… portanto de facto produz mais!

Eu considero que o desporto é importantíssimo para ajudar no equilíbrio entre a parte familiar, profissional e pessoal, até porque se podem combinar ambos, às vezes uma pessoa enquanto está a correr pode fechar um negócio ou pode falar de trabalho, e corre também com a família. Portanto é muito importante e acaba por dar o equilíbrio, que na minha opinião é fundamental para alcançar os bons resultados individuais e dentro da empresa em si.

Já tem uma estimativa de participantes para este ano, quantos já estão inscritos na B2RUN?

Sim, temos mais inscritos do que nos anos anteriores, temos repetentes, temos algumas empresas novas também, e estamos a apontar para 3 mil pessoas em Lisboa, e gostávamos muito de chegar às 2 mil no Porto, mesmo sendo a primeira edição, acreditamos muito no mercado do Porto.

Rh: Por detrás desta corrida há toda uma equipa, o Gonçalo incentiva a sua equipa à prática de exercício físico?

GU: Nós todos os anos temos uma equipa da ‘Case Imagine’, este ano vamos ter. Temos também aqui um dos nossos colaboradores a organizar treinos. E incentivamos, uma vez que vendemos e nos identificamos com o conceito e com o evento, é mais fácil fazê-lo internamente, e depois vendê-lo externamente.

Mais informações sobre a B2RUN AQUI

Por: Joana Madeira Alves | Tema Central

Artigos Relacionados

Opinião Online

Find more about Weather in Lisboa, PO

Aprender Magazine

Revista Pessoal

  • REVISTA PESSOAL – JULHO/ AGOSTO N.º 174

    Na economia digital e tecnológica da qual, obrigatoriamente, fazemos parte, e independentemente do tipo de funções e responsabilidades que desempenhamos, as chamadas soft skills – ou competências pessoais – constituem mecanismos fundamentais para melhorar o desempenho profissional em contexto de equipa e de mobilização para a ação, uma vez que falamos de competências que potenciam…

Sondagem/Quiz RH

Liderança e Amor terão alguma coisa em comum?

Ver Resultados

Loading ... Loading ...

Colecção Find Out

RHtv