Notícias

EY Portugal apresenta “soluções smart” para Lisboa

A EY Portugal recebeu, recentemente, 75 recém-graduados e lançou-lhes um desafio: confirmar se Lisboa é ou não uma smart city. A iniciativa consistiu na identificação de necessidades, problemas e oportunidades a nível da Internet das Coisas – IoT – na cidade de Lisboa, um desafio em equipa que se revelou fundamental para integrar os novos colaboradores na cultura organizacional da consultora, preparando-os, assim, para os desafios do futuro.

Segundo a EY Portugal, os resultados do Smart City/Smart Team “excederam todas as expectativas, dada a objetividade, o sentido de oportunidade e a consciência das problemáticas que os diferentes ‘utilizadores’ da cidade se podem deparar”.

No seguimento do desafio, as equipas apresentaram vários projetos com o intuito de responder às questões relacionadas com a integração de um complemento de mobilidade para a população com limitações, bem como o desenvolvimento de um chatbot – Amália – em parceria com o Turismo de Portugal.

Apps de car share, restauração, atrações turísticas, afluência dos transportes públicos em tempo real e agendamento de refeições num interface multilanguage são alguns exemplos das propostas apresentadas, cujo objetivo é simplificar o quotidiano da população.

Margarida Dias, talent team director da EY Portugal, acredita que “a integração de preocupações sociais nos objetivos estratégicos é fundamental para o crescimento sustentável e para a consciencialização coletiva dos colaboradores, e foi por esse motivo que promovemos esta ação que vem demonstrar, uma vez mais, o papel ativo da EY na comunidade e na promoção de um mundo de negócios melhor”.

Teresa Ferreira (Turismo de Portugal), Mariza Motta Queiroz (MIT Portugal/Instituto Superior Técnico), Marina Pousão (Associação Portuguesa do Cidadão Deficiente Mental), David Cunha (Câmara Municipal de Lisboa) e Bruno Curto Marques (EY Portugal) foram os elementos do júri que selecionou o projeto vencedor, de entre os seis apresentados, cujo foco foi uma “solução smart” para os problemas que os cidadãos com mobilidade condicionada enfrentam, diariamente, no acesso a determinados locais.

Para Bruno Curto Marques, presidente do júri e senior manager de advisory, government & public sector na EY Portugal, “o resultado desta ação surpreendeu todos os jurados pela positiva e superou mesmo todas as expectativas. Não só pelo nível de detalhe das propostas apresentadas, mas também pelas conclusões divulgadas. Lisboa foi considerada uma cidade inteligente. E apesar de sabermos que a transformação de uma cidade numa smart city é um processo gradual de aperfeiçoamento, que requer tempo e dinheiro, já percorremos um caminho interessante nesta matéria”. E reforça que, “agora, é preciso continuar a estimular a inovação na identificação de soluções, de forma a converter a área urbana lisboeta num espaço cada vez mais desenvolvido e tecnológico, melhorando a qualidade de vida dos seus habitantes e visitantes”.

Artigos Relacionados

Opinião Online

Find more about Weather in Lisboa, PO

Revista Pessoal

  • Revista Pessoal – novembro/dezembro n.º 176

    Como já vem sendo hábito, a última revista Pessoal do ano é especialmente dedicada aos gestores e aos líderes que têm como prioridade máxima o seu recurso mais valioso: as pessoas. Atualmente, a maior parte das organizações estão preparadas para antecipar as mudanças que ocorrem no mercado de trabalho, mas estas acontecem a uma velocidade…

Aprender Magazine

  • APRENDER MAGAZINE – DIRETÓRIO DE EMPRESAS DE FORMAÇÃO / 2018

    LEIA AQUI O mercado de trabalho está a fervilhar com novas oportunidades, que não estão, ainda, a ser completamente exploradas. Com o crescimento económico que se tem vindo a constatar no panorama empresarial do nosso país, a procura de mão-de-obra qualificada tem aumentado significativamente. Em alguns setores – com maior destaque para as Tecnologias da…

Livros

RHtv